Arena RPG Maker
Olá, visitante!
Seja bem-vindo ao fórum Arena RPG Maker, caso queira aprender sobre criação de jogos, está no fórum certo. Esperamos que possa aprender tanto quanto possa nos ensinar aqui.

Atenciosamente,
Equipe Arena RPG Maker.
Arena RPG Maker

Estamos de volta o/ ... Ou não.Eu amo a -Dark
Doações para o fórum abertas, clique aqui e saiba mais.
Últimos assuntos
» Pokémon Genesis Online! (PGO)
Qua 05 Jul 2017, 17:08 por Lexar

» Tileset Converter to MV
Sex 12 Maio 2017, 13:07 por Douggi

» [Dúvida] Como tirar a porcentagem de esquiva
Ter 09 Maio 2017, 22:15 por Neil Flame Runner

» Pack Resources, Sprites e etc
Qua 23 Dez 2015, 09:30 por raydengv

» Download RPG Maker 2003 + RTP em português
Ter 22 Dez 2015, 08:14 por ::KimMax::

» Fantasy Art Online
Dom 18 Out 2015, 16:42 por daviih123

» Você vai ter medo do Nerve gear?
Sab 25 Jul 2015, 16:02 por Kirito-kun

» O Barato é louco
Sab 27 Jun 2015, 15:26 por Halt

» Download RPG Maker 2000 + RTP em português
Qui 21 Maio 2015, 19:28 por Wismael

» Divulgando meu grupo e página do Facebook
Ter 19 Maio 2015, 13:06 por Halt


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

1 A linguagem de programação LUA - Parte 2 em Qua 03 Out 2012, 18:05

Halt

avatar
Administrador
Administrador
Resumo
Lua é uma linguagem de script amplamente usada nas mais diversas áreas, desde grandes
aplicativos para desktops, como o Adobe Photoshop Lightroom, até software para sistemas embarcados.
Lua é a linguagem mais usada atualmente para scripting em jogos, e é parte do padrão Ginga
para o Sistema Brasileiro de TV Digital. Lua também é muito usada na área de segurança, sendo a
linguagem de script embutida em ferramentas como Wireshark, snort e nmap.
Este texto apresenta a linguagem Lua com ênfase nos seus mecanismos menos convencionais.
O objetivo é introduzir a linguagem e ao mesmo tempo apresentar algumas técnicas de programação
não convencionais, como o uso de funções de mais alta ordem, co-rotinas e APIs entre linguagens.
Espera-se do leitor alguma maturidade na área de programação e conhecimento da linguagem C,
para a discussão da API entre Lua e C.

Introdução
O objetivo deste texto é introduzir o leitor à programação na linguagemLua.
Assumimos que o leitor (você) possui uma certa maturidade em programação
com alguma linguagem qualquer.

Programar em Lua não é muito diferente de programar em outras linguagens
dinâmicas, mas é diferente. Cada linguagem apresenta características
próprias, e um bom programador sabe explorar as características particulares
de cada linguagem. Neste texto, vamos procurar enfatizar as particularidades
de Lua, aspectos que tornam a programação em Lua diferente da programação
em outras linguagens dinâmicas. Em particular, em Lua, temos como importantes
diferenciais o uso de técnicas de programação funcional, o uso ubíquo
de tabelas como estruturas de dados para os mais variados fins, o uso de corotinas
e a comunicação com código escrito em C.
Bom, então programar em Lua não é tão diferente de programar em outras
linguagens dinâmicas. Mas afinal, o que é uma linguagem dinâmica? Como
ocorre frequentemente em computação, esse termo não possui uma definição
precisa e universalmente aceita. Mas existe um certo consenso de que linguagens
dinâmicas apresentam as seguintes características:
Interpretação dinâmica: isso significa que a linguagem é capaz de executar
trechos de código criados dinamicamente, no mesmo ambiente de execução
do programa. Como exemplos dessa facilidade temos a função
loadstring em Lua e a função eval em Scheme/Lisp e Perl.
Tipagem dinâmica forte: tipagem dinâmica significa que a linguagem faz verificação
de tipos em tempo de execução do programa. Linguagens com
tipagem dinâmica em geral não possuem declarações de tipos no código
e não fazem verificação de tipos em tempo de compilação. Tipagem
forte significa que a linguagem jamais aplica uma operação a um tipo
incorreto.
Gerência automática de memória dinâmica (coleta de lixo): isso significa que
não precisamos gerenciar memória explicitamente no nosso programa;
em especial, não há necessidade de um comando para liberar memória
após seu uso.
Em geral, linguagens dinâmicas são interpretadas, e não compiladas para
código nativo da máquina; mas essa é uma característica das implementações
dessas linguagens, não das linguagens em si. Obviamente, as características
acima favorecem uma implementação via um interpretador e dificultam a
construção de compiladores.
Dessas características, a interpretação dinâmica é a mais exclusiva de linguagens
dinâmicas. Obviamente, em qualquer linguagem Turing-completa podemos
escrever um interpretador para a própria linguagem, mas os trechos de
código interpretados não serão executados no mesmo ambiente do programa
interpretador. Por exemplo, podemos escrever um interpretador para C em C,
mas os programas interpretados não terão acesso às variáveis e funções declaradas
no programa compilado onde o interpretador está sendo usado.
Apesar de não ser uma característica exclusiva de linguagens dinâmicas, a
gerência automática de memória é um mecanismo importante dessa lista, por
haver uma enorme diferença entre programarmos em uma linguagem com e
em uma linguagem sem gerência automática de memória. Mesmo na programação
em ponto grande (programming in the large) a gerência automática de
memória tem um impacto significativo, ao simplificar as interfaces entre componentes.
(Como um exercício, pegue a API de qualquer biblioteca C de porte
razoável e verifique quanto de sua complexidade é devida à gerência de memória.)
Na verdade, existe um contínuo entre linguagens estáticas e dinâmicas. Por
exemplo, Java é uma linguagem muito mais dinâmica do que C, pois apresenta
gerência automática de memória, um certo grau de tipagemdinâmica e um mecanismo
embrionário de interpretação dinâmica (por meio da carga dinâmica
de classes, que por sua vez podem ser criadas dinamicamente). Mesmo entre
as linguagens reconhecidamente dinâmicas existem diferenças. Por exemplo,
nem todas as linguagens dinâmicas têm gerência automática de memória sobre
módulos ou classes.
Lua se destaca de outras linguagens dinâmicas por ser uma linguagem de
script. Uma linguagem de script é uma linguagem projetada para controlar e
coordenar componentes geralmente escritos em outra linguagem. As primeiras
linguagens de script foram as linguagens de shell do Unix, usadas para
conectar e controlar a execução de programas. Apesar de várias linguagens
dinâmicas poderem ser usadas para script, poucas foram projetadas para essa
finalidade. Lua seguiu um caminho criado por Tcl [Ousterhout 1990], onde a
linguagem é estruturada como uma biblioteca C com uma API que permite
tanto código na linguagem chamar funções escritas em C como código C chamar
funções escritas na linguagem. Lua se destaca de outras linguagens de
script por sua simplicidade, portabilidade, economia de recursos e desempenho
[Ierusalimschy et al. 2007].

Como usar Lua
A linguagem Lua conta com uma única implementação principal, mantida
pelos autores da linguagem no site [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] mas essa implementação
conta com diversas distribuições mantidas por desenvolvedores independentes.
Em muitos usos reais de Lua, o interpretador é distribuido embutido na aplicação
final. Afinal, um dos principais objetivos de Lua é exatamente esse tipo
de uso. Nesses casos, detalhes de como usar Lua são dependentes da aplicação.
Esses detalhes incluem que editor usar, onde e como armazenar os
programas, como executar um programa, etc. Neste texto, como não estamos
visando nenhuma aplicação particular, vamos usar o interpretador independente
(stand alone) de Lua.
Para máquinas Windows, uma ótima opção de instalação é a distribuição
Lua for Windows (LfW).1 Essa distribuição é um pacote completo para Windows,
incluindo não apenas o interpretador Lua com suas bibliotecas padrão,
mas também um editor e várias bibliotecas extras populares.
Para máquinas Linux não há uma receita pronta, dada a diversidade de
distribuições de Linux. Compilar Lua em uma máquina Linux é muito simples
e rápido. Algumas distribuições já vêm com Lua instalado por default. Outras
oferecem pacotes prontos: por exemplo, em Ubuntu e Debian, basta instalar
o pacote lua5.1, que é o interpretador com as bibliotecas padrão. Várias
bibliotecas externas também são oferecidas como pacotes extras. Em qualquer
caso, o interpretador independente de Lua é um programa de linha de
comando, para ser executado por meio de um terminal.
Para máquinas Mac OS X, existe a opção de compilar diretamente o fonte,
desde que a máquina já tenha as ferramentas de desenvolvimento em C instaladas.
O processo é simples e rápido como no Linux. Outra opção é usar um
gerenciador de pacotes; por exemplo, tanto o MacPorts quanto o Fink oferecem
pacotes prontos para Lua.
Uma vez instalado, é muito fácil usarmos o interpretador. Lua não tem o
conceito de uma função main; qualquer comando passado ao interpretador é
imediatamente executado. O exemplo a seguir é um programa completo para
imprimir p2:
print(2^(1/2)) --> 1.4142135623731
O operador ^ é o operador de exponenciação em Lua. Lua trabalha sempre
com números reais em ponto flutuante e a exponenciação funciona para expoentes
fracionários (e negativos também). Em geral, usamos a notação -->
para indicar o resultado de um comando. Como em Lua dois traços -- iniciam
um comentário que vai até o final da linha, podemos incluir aquela indicação
no programa.
Ao usar Lua via um terminal, você tem pelo menos quatro maneiras de
executar esse pequeno “programa”:
• Você pode usar a opção de linha de comando -e:
$ lua -e "print(2^0.5)"
(Estou assumindo que $ é o prompt do terminal.)
• Você pode entrar com o programa em modo interativo:
$ lua
> print(2^0.5)
(O > é o prompt do interpretador Lua em modo interativo.)
• Você pode escrever esse programa em um arquivo e executá-lo via linha
de comando:
$ lua nome-do-arquivo

• Você pode escrever esse programa em um arquivo e executá-lo via modo
interativo, por meio da função predefinida dofile:
$ lua
> dofile("nome-do-arquivo")
Podemos dispensar os parênteses em chamadas de função onde o único argumento
é uma string literal. Assim, você pode reescrever o exemplo anterior
como a seguir:
> dofile"nome-do-arquivo"
Quando você chama o interpretador, ele cria um estado Lua que persiste
até o fim da sua execução. Assim, todos os efeitos colaterais de cada comando
se propagam para os próximos comandos, mesmo que eles sejam executados
como “programas” em separado. Veja o exemplo a seguir:
$ lua
> x = 1
> print(x) --> 1
Cada uma das linhas é executada como um trecho (chunk, em inglês) separado,
mas o valor da variável global x se mantém após o primeiro trecho ter
terminado.

Alguns Exemplos
À primeira vista, Lua é uma linguagem imperativa, razoavelmente convencional.
Como já discutimos, não vamos perder muito tempo descrevendo
essa parte mais convencional da linguagem. Uma boa parte você vai aprender
apenas vendo os exemplos; se precisar de maiores detalhes, consulte
o manual de referência [Ierusalimschy et al. 2006] ou o livro Programming in
Lua [Ierusalimschy 2006].
Seguem alguns exemplos de funções simples em Lua, para você se familiarizar
com o básico da linguagem.
Soma dos elementos de um array
Código:
function add (a)
local sum = 0
for i = 1, #a do sum = sum + a[i] end
return sum
end
Algumas observações sobre o código acima:
• Como a linguagem tem tipagem dinâmica, não há tipos nas declarações
de variáveis, parâmetros, etc.


• A palavra reservada local declara uma variável local, cujo escopo vai
da declaração até o fim do bloco mais interno que contém a declaração.
No exemplo, sum é visível até o fim da função add.
• A expressão #a retorna o comprimento do array a. Como arrays em Lua
começam no índice 1, o comprimento é também o valor do último índice.
• O comando for vai repetir seu corpo com o valor da variável i variando
de 1 até o comprimento do array (#a). A variável de controle i é
declarada pelo próprio comando for e só é visível dentro do seu corpo.
• Todas as estruturas de controle têm um terminador explícito. Tanto o
corpo da função quanto o corpo do for terminam com a palavra reservada
end.
Soma das linhas de um arquivo
A função a seguir recebe o nome de um arquivo texto, que deve conter uma
lista de números, e retorna a soma desses números:
Código:
function addfile (filename)
local sum = 0
for line in io.lines(filename) do
sum = sum + tonumber(line)
end
return sum
end

Essa função é semelhante à do exemplo anterior, com exceção do for. No
exemplo anterior, usamos um for numérico, que iterage sobre uma progressão
aritmética de números. Neste exemplo, usamos um for genérico, que usa um
gerador (io.lines, no caso, fornecida pela biblioteca padrão de Lua) para
gerar os valores da iteração.
Note também o uso da função tonumber, para converter o numeral lido
(uma string) para um número. Lua faz esse tipo de conversão automaticamente
sempre que uma string é usada em uma operação aritmética, mas consideramos
mais educado efetuar a conversão explicitamente.

Casamento de prefixos
Um problema comum em várias áreas é, dada uma lista de palavras, decidir
se uma dada string é prefixo de alguma das palavras da lista. Por exemplo,muitos
sistemas de linha de comando permitem que entremos com um comando
digitando apenas os primeiros caracteres do nome do comando.
Uma solução usual para esse problema é construir uma tabela de prefixos,
que mapeia todos os prefixos de cada palavra na lista para a palavra completa.
Dada essa tabela, o problema original é resolvido com uma simples consulta.

Código:
function buildPrefixTable (list)
local t = {}
for _, name in ipairs(list) do
for len = 1, #name do
local prefix = string.sub(name, 1, len)
if t[prefix] then
t[prefix] = true -- colisao
else
t[prefix] = name
end
end
end
return t
end

Função para construir uma tabela de prefixos.
A função na Figura 3.1 recebe uma lista (array) de palavras e retorna sua
tabela de prefixos. Nesse código temos novamente várias novidades:
• A expressão {} cria uma tabela vazia, que é atribuida à variável local t.
• O laço externo usa o gerador ipairs, que percorre todos os índices
e valores do array dado (list). Os índices são atribuídos à primeira
variável (que nomeamos _, já que não estamos interessados no seu
valor), e os valores à segunda variável (name).
• A função string.sub retorna uma substring de uma dada string (name,
no caso). Assim como arrays, caracteres em strings são indexados a
partir de 1. Em particular, a chamada como feita no exemplo vai retornar
um prefixo de name com comprimento len.
• Na condição do if, usamos o fato de que o valor nil, que é o valor
de campos não inicializados em uma tabela, é equivalente a falso em
qualquer condição. Assim, o que está sendo testado é se o campo da
tabela com chave prefix já foi preenchido anteriormente.
• No caso do teste dar positivo (isto é, a tabela já ter um elemento com a
dada chave), a função coloca o valor true na posição já ocupada. Como
este valor não é uma string, ele serve como uma marca para colisões.2
Após a construção da tabela de prefixos, seu uso é bem simples. Dado um
2 Outra opção seria colocar na posição do conflito uma lista com todas as possíveis palavras
para o dado prefixo.
prefixo, o código a seguir retorna a palavra completa ou dá um erro adequado:
Código:
function complete (t, prefix)
local w = t[prefix]
if type(w) == "string" then return w
elseif w == true then error("ambiguous prefix")
else error("invalid prefix")
end
end

A função predefinida type, quando aplicada a qualquer valor, retorna uma
string com seu tipo. Os valores de retorno possíveis são "nil", "number",
"string", "boolean", "table", "function", "thread" e "userdata".
Já vimos, pelo menos brevemente, os tipos number, string, table e nil (que é o
tipo do valor nil). Iremos abordar os tipos function e thread mais a frente. O
tipo userdata é usado para representar objetos externos a Lua (e.g., arquivos).
Isso deixa faltando apenas o tipo boolean.
Como em outras linguagens, o tipo boolean em Lua tem apenas dois valores,
true e false. Mas os valores booleanos não têm exclusividade para
testes. Em qualquer teste da linguagem (if, while e mesmo operadores lógicos)
os valores nil e false resultam em um teste negativo, e qualquer outro
valor (incluindo true, mas também 0, a string vazia, etc.) resulta em um teste
positivo. Antes de sua versão 5.0, Lua nem tinha um tipo booleano. A principal
motivação para a inclusão desse tipo na linguagem foi permitir a distinção entre
variáveis com valor falso (false) e variáveis não inicializadas (e portanto
com valor nil). Um teste como if not x dá positivo nos dois casos, mas um
teste como if x == false só dá positivo se o valor de x for false.
Em Lua, assim como em várias outras linguagens dinâmicas, booleanos
não têm exclusividade como resultado de operadores lógicos. O operador or
retorna sempre o valor do primeiro operando que define o valor final da disjunção.
A seguir listamos algumas expressões e seus respectivos resultados:
5 or 7 --> 5
nil or 7 --> 7
nil or false --> false
false or nil --> nil
De forma análoga, o operador and retorna o valor do primeiro operando que
define o valor final da conjunção:
"a" and "b" --> "b"
nil and "alo" --> nil
nil and false --> nil
false and nil --> false
O operador not, entretanto, sempre retorna um booleano. Em particular, a expressão
not not x normaliza o valor de x para um booleano correspondente.



Última edição por GM HaLT em Qua 03 Out 2012, 18:14, editado 1 vez(es)


__________________________________________
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Ei Convidado, sim você mesmo! Ajude o fórum à crescer postando coisas úteis, dê sugestões para melhorar-mos e divulgue o fórum.

Step inside, see the devil in I.

Gifts-
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] - [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] - [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] - [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] - [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Zerei a internet
Ver perfil do usuário http://arenarpgmaker.eclipserpg.com

Halt

avatar
Administrador
Administrador
Um exemplo de uso dessas propriedades é a expressão a seguir, que calcula
o máximo entre x e y:
x >= y and x or y
Você está convidado a explicar como ela funciona.

Programando com Funções
Funções em Lua são valores dinâmicos de primeira classe. Em Lua, não
declaramos funções, de forma estática. Funções são criadas dinamicamente,
durante a execução de um programa.
Considere o exemplo a seguir:
[code]> (function (a,b) print(a+b) end)(10, 20)[/b]

Esse comando cria uma função para imprimir a soma de seus dois parâmetros,
e imediatamente chama essa função com argumentos 10 e 20. Após a execução
do comando, não há mais referências para a função, e portanto os recursos
usados por ela (memória) serão eventualmente reciclados pelo coletor de lixo.
De modo geral, a sintaxe function (<pars>) <body> end representa
uma expressão que, ao ser executada, cria uma nova função. Ela é equivalente
a notação (lambda (<pars) <body>) da linguagemScheme e a uma
abstração no l -cálculo.
Como funções são valores de primeira classe, podemos fazer com elas
tudo que fazemos com outros valores, como números ou strings. Em particular,
podemos armazenar seu valor em uma variável global:
> foo = function (a,b) print(a+b) end
> foo(10, 20)
Agora, podemos usar a função armazenada em foo quantas vezes quisermos.
Como é bastante comum querermos armazenar funções em variáveis globais
para uso futuro, Lua oferece um açúcar sintático para a atribuição acima.
Podemos escrevê-la na forma a seguir:
> function foo (a,b) print(a+b) end
Essa sintaxe é exatamente a que estivemos usando até agora para declarar
funções. Ela passa uma aparência de normalidade à linguagem, por ser bastante
semelhante à declaração de uma função em outras linguagens. Lembrese,
no entanto, que ela nada mais é do que açúcar sintático. O significado
dessa “declaração” é criar uma função dinamicamente e atribuí-la a uma variável
global.

Múltiplos Retornos
Outro aspecto pouco convencional de funções em Lua é que elas podem
retornar múltipos valores. Considere o exemplo a seguir:
[code]function foo (x) return x, x+1 end
print(foo(3)) --> 3 4[/code]

Nesse exemplo, a função foo retorna dois valores, x e x+1. Na segunda
linha, todos os retornos de foo são passados como argumentos para a função
print.
Outra forma de se acessar os múltiplos retornos de uma função é com uma
atribuição múltipla:
a, b = foo(10)
Nessa atribuição, a recebe o primeiro valor retornado por foo e b recebe o
segundo.
Em uma atribuição múltipla, Lua não exige que o número de valores seja
igual ao número de variáveis. Se houver mais valores, os valores extras são
descartados; se houver mais variáveis, as variáveis extras recebem o valor
nil. O mesmo ocorre em uma chamada de função, em relação aos argumentos
fornecidos na chamada e os parâmetros esperados pela função: se
chamamos uma função com mais argumentos que o necessário, os argumentos
extras são descartados; se houver argumentos faltando, eles assumem o
valor nil.
De maneira geral, em todos os lugares que Lua aceita uma lista de expressões
(passagem de parâmetros, atribuição múltipla, construção de listas,
retornos múltiplos) podemos usar uma função com múltiplos retornos como último
(ou único) elemento da lista. Todos os valores retornados se juntam ao
final dos valores das outras expressões. Entretanto, quando uma chamada de
função não é a última expressão da lista, apenas um valor de retorno dela é
usado, mesmo que ela retorne vários valores. Por exemplo, na atribuição
a, b, c = foo(10), foo(20)
a recebe o valor 10, b recebe o valor 20 e c recebe 21 (segundo retorno de
foo(20)). O segundo retorno da primeira chamada a foo, 11, é descartado.
Essa regra garante um mínimo de ordem na correspondência entre expressões
e valores. Por exemplo, em uma chamada como f(g(x),y), a regra garante
que o argumento y será o segundo argumento, mesmo que g(x) retorne mais
de um resultado.
O exemplo a seguir ilustra uma função que recebe uma string e retorna
como resultados todos os prefixos da string:
[code]function prefixes (s, len)
len = len or 0
if len <= #s then
return string.sub(s, 1, len),
prefixes(s, len + 1)
end
end
print(prefixes("alo")) --> a al alo[/code]

Na verdade, a função recebe uma string e um número len, e retorna todos os
prefixos da string com tamanhomaior ou igual a len. Esse segundo parâmetro
tem um valor default de zero; com isso, quando chamamos a função com apenas
um parâmetro (a string), recebemos de volta todos os seus prefixos com
tamanho maior ou igual a zero, ou seja, todos.
A primeira linha da função implementa o valor default para len. Quando
chamamos a função pela primeira vez, passando apenas a string, o parâmetro
len recebe o valor nil. Assim, o resultado do or na primeira atribuição é 0,
que se torna o novo valor do parâmetro. Nas chamadas recursivas, len recebe
um valor numérico; portanto, o resultado do or é o próprio valor de len, e a
atribuição não altera seu valor.
O resto da função é razoavelmente simples. Se o limite de tamanho for
maior que o comprimento da string, não há nada a ser retornado. Caso contrário,
a função retorna o prefixo com tamanho len, calculado com a função
string.sub (que já vimos anteriormente), seguido dos prefixos com tamanho
maior que len, calculados por meio da chamada recursiva.

Regiões Geométricas
Além de serem valores de primeira classe, funções em Lua oferecem escopo
léxico. Isso permite empregarmos em Lua várias técnicas de programação
funcional, como por exemplo o uso de funções para representação de
dados. Para darmos uma pequena ilustração sobre essas técnicas, vamos desenvolver
aqui um exemplo simples.
O exemplo a seguir é baseado em [Hudak and Jones 1994]. A ideia é desenvolver
um sistema para representação de regiões geométricas. Uma região
é um conjunto de pontos, e a única operação relevante no nosso sistema é
pertinência: dado um ponto e uma região, saber se o ponto está dentro da
(pertence à) região. Para desenharmos uma região, podemos percorrer a área
de desenho testando a pertinência de cada pixel. O sistema deve ser capaz
de representar uma ampla gama de regiões geométricas, e deve ser capaz de
representar união, interseção e complemento de regiões genéricas.
Para desenvolver esse sistema, podemos começar pesquisando quais estruturas
de dados se adequam melhor ao problema. Ou podemos subir o nível
de abstração e ignorar as estruturas de dados, representando uma região diretamente
por meio de sua função característica. Mais especificamente, uma
região pode ser representada por uma função que, dado um ponto, retorna verdadeiro
se e somente se o ponto pertence à região. Como exemplo, a função
a seguir representa uma região circular com centro (1.0,3.0) e raio 4.5:
[code]return function (x, y)
return (x - 1.0)^2 + (y - 3.0)^2 <= 4.5^2
end[/code]

Essa função é bastante simples: ela apenas verifica se a distância do ponto
dado ao centro do círculo é menor ou igual ao raio.
Podemos ser mais abstratos e definir uma função para criar regiões circulares:
[code]function circle (cx, cy, r)
return function (x, y)
return (x - cx)^2 + (y - cy)^2 <= r^2
end
end[/code]

Essa função apenas retorna uma função que representa a região circular com
centro e raio dados.
Para o funcionamento correto desse tipo de função, é fundamental que a
linguagem ofereça visibilidade léxica. No nosso caso, a função que representa
o círculo deve ser capaz de acessar as variáveis locais à função externa (cx,
cy e r) mesmo após esta ter retornado.
Para adicionarmos novos formatos, como áreas retangulares ou triangulares,
não há necessidade de nenhuma modificação no sistema; basta escrevermos
as funções adequadas. Mas o mais interessante é como podemos
modificar e combinar regiões. Por exemplo, dada qualquer região g, a função
a seguir cria uma nova região que é o complemento de g:
[code]function complement (g)
return function (x, y) return not g(x, y) end
end[/code]

União, interseção e diferença de duas regiões são igualmente simples;
Além de operações sobre conjuntos, também podemos definir vários
outros tipos de transformações gráficas. Por exemplo, a função a seguir
[code]function union (g1, g2)
return function (x, y)
return g1(x, y) or g2(x, y)
end
end
function inter (g1, g2)
return function (x, y)
return g1(x, y) and g2(x, y)
end
end
function diff (g1, g2)
return function (x, y)
return g1(x, y) and not g2(x, y)
end
end[/code]

União, interseção e diferença de regiões.
translada uma figura:
[code]function translate (g, dx, dy)
return function (x, y)
return g(x + dx, y + dy)
end
end[/code]

Observe como todas as funções que definimos necessitam visibilidade léxica,
ao retornarem funções que necessitam acesso a valores externos para funcionarem
corretamente.
Como comentamos anteriormente, podemos visualizar as regiões geradas
percorrendo a área de desenho e testando cada pixel. Para ilustrar o processo
de uma forma simples, vamos escrever uma função para gerar um arquivo PBM
(portable bitmap) com o desenho de uma dada região.
Arquivos PBM têmum formato bastante simples3: em sua variante de modo
texto, ele começa com um cabeçalho de uma linha contendo a sequência "P1";
em seguida há uma linha com a largura e a altura do desenho, em pixels. Finalmente,
há uma sequência de algarismos com os valores de cada pixel da imagem
(1 para preto, 0 para branco), separados ou não por brancos ou quebras
de linha. A função na Figura 3.3 gera o arquivo para uma região dada, mapeando
os pixels da área sendo desenhada [1,M]×[1,N] para o espaço virtual
3 Esse formato também é bastante ineficiente, mas aqui nossa ênfase é a simplicidade.
[code]local M, N = 500, 500 -- tamanho do desenho
function plot (f)
io.write("P1\n", M, " ", N, "\n")
for i = 1, N do -- percorre as linhas
local y = (N/2 - i)*2/N
for j = 1, M do -- percorre as colunas
local x = (j - M/2)*2/M
io.write(f(x, y) and "1" or "0")
end
io.write("\n")
end
end[/code]


Figura 3.3. Função para desenhar uma região no formato PBM.
Figura 3.4. Desenho da diferença de duas regiões circulares

de desenho [−1,−1]×[1,1]: A iteração externa percorre as linhas do desenho,
que correspondem à coordenada vertical; para cada linha a iteração interna
percorre suas colunas, que correspondem à coordenada horizontal. Observe o
uso idiomático dos operadores lógicos para transformar o resultado da função
característica (um booleano) no caractere apropriado (0 ou 1).
A Figura 3.4 ilustra o resultado do comando a seguir:
plot(diff(circle(0, 0, 1), circle(0.3, 0, 1)))

Desenho de Polígonos
Um exemplo interessante do uso de funções em Lua vem da biblioteca
NCLua, que é a interface entre Lua e o middleware Ginga, da TV Digital Brasileira.
Uma das funções oferecidas por essa interface é a drawPolygon,
para desenhar um polígono em uma área de desenho [ABNT 2007]. Um dos
problemas de funções para desenhar polígonos é que a representação de um
polígono geralmente requer uma estrutura de dados específica, que pode não
ser compatível com a estrutura usada pelo programa. A função drawPolygon
de NCLua evita essa dificuldade por meio de funções. Quando chamamos essa
função passamos apenas dois parâmetros: a tela (canvas) onde desenhar e o
modo de desenho: aberto, fechado ou preenchido. Essa função então retorna
uma nova função, que adiciona pontos ao polígono. Chamando repetidas vezes
essa função retornada, podemos adicionar todos os pontos do polígono
sem necessidade da criação de uma estrutura de dados particular. Quando
chamamos essa função sem parâmetros, indicamos que não há mais pontos a
inserir.
Para ilustrar o uso dessa função, o código a seguir desenha um polígono
armazenado em um array de pontos, onde cada ponto é uma estrutura com
dois campos, x e y:
[code]local f = drawPolygon(canvas, "close")
for i = 1, #points do
f(points[i].x, points[i].y)
end
f()[/code]
Na primeira linha, chamamos drawPolygon, que cria um novo polígono e retorna
a função para adicionar pontos a esse polígono. Em seguida, fazemos
uma iteração sobre o array points para adicionar os pontos ao polígono. Finalmente,
chamamos a função de adição sem argumentos, para indicar que
não há mais pontos a serem inseridos.
Uma facilidade adicional de drawPolygon é que cada chamada à função
de adição de pontos retorna a própria função. Isso permite uma sintaxe simples
para criarmos polígonos pequenos, via um encadeamento de chamadas. O
código a seguir ilustra esse uso:
drawPolygon(c, "fill")(1.5,2.3)(3.6,4.5)(0.4,9.7)()
Não é difícil adaptarmos uma função para desenhar polígonos com uma
interface convencional para essa interface funcional. Por exemplo, suponha
que temos uma função como a descrita a seguir:
DP(canvas, mode, n, x, y)
Nessa função, n é o número de pontos do polígono, x é um array com as coordenadas
horizontais dos pontos e y é um array com suas coordenadas verticais.
Com essa função, podemos implementar a nova interface por meio do código
mostrado na Figura 3.5. Quando chamada, nossa função drawPolygon
cria dois arrays vazios (list_x e list_y) e um contador n, e retorna a função
de adição de pontos, que executa o grosso do trabalho. Se chamada sem
argumentos, ela invoca a primitiva DP para desenhar o polígono acumulado.
Caso contrário, ela verifica se os argumentos possuem o tipo correto e insere
um novo ponto na sua estrutura de dados. Essa estrutura, que é uma particularidade
da função DP, fica completamente escondida do resto do programa.
[code]function drawPolygon (canvas, mode)
local list_x, list_y, n = {}, {}, 0
return function (x, y)
if x == nil and y == nil then
DP(canvas, mode, n, list_x, list_y)
elseif type(x) ~= "number" then
error("’x’ deve ser um numero")
elseif type(y) ~= "number" then
error("’y’ deve ser um numero")
else
n = n + 1
list_x[n] = x
list_y[n] = y
end
end
end[/code]

Uma implementação para drawPolygon sobre
uma interface convencional.

Trechos de Código
Como discutimos anteriormente, a unidade de execução de código em Lua
é chamada de trecho. Vamos ver agora mais detalhes sobre como Lua trata
trechos de código.
Antes de executar um trecho de código, Lua pré-compila o trecho para um
formato interno. Esse formato é uma sequência de instruções para uma máquina
virtual, algo semelhante ao código de máquina para uma CPU convencional.
Para essa pré-compilação, Lua trata o trecho exatamente como se ele
fosse o corpo de uma função anônima. Além disso, o resultado da compilação
é uma função Lua, com todos os direitos de qualquer função.
Normalmente, Lua executa a função anônima correspondente a um trecho
imediatamente após sua compilação, de modo que essa fase de précompilação
fica transparente para o programador. Mas podemos ter acesso
a esse passo quando necessário. Em especial, a função loadstring compila
um trecho de código arbitrário e retorna a função resultante, sem executá-la.
Veja o exemplo a seguir:
[code]i = 0
f = loadstring("print(i); i = i + 1")
f() --> 0
f() --> 1[/code]

O fato de trechos serem compilados como funções permite algumas técnicas
úteis. Em particular, trechos podem ter variáveis locais. Como Lua oferece
visibilidade léxica, essas variáveis são acessíveis para as funções declaradas
dentro do trecho, mas são invisíveis fora dele. Em particular, uma função armazenada
em uma variável local de um trecho só é visível dentro daquele
trecho. Lua inclusive oferece um açúcar sintático para declararmos funções
locais. Veja o exemplo a seguir:
[code]local function foo (x)
print(2*x)
end[/code]

Essa declaração é equivalente ao código a seguir:
[code]local foo
foo = function (x)
print(2*x)
end[/code]

Uma outra opção de tradução seria assim:
[code]local foo = function (x)
print(2*x)
end[/code]

Mas essa tradução não é tão conveniente quanto a primeira opção. (Você sabe
explicar por que? O que ocorre nos dois casos se quisermos definir uma função
recursiva?)
Como qualquer função, trechos de código também podem retornar valores.
Isso é útil em algumas situações particulares. Por exemplo, o interpretador independente
de Lua imprime qualquer valor retornado por um trecho executado
em modo interativo. Além disso, ele substitui um sinal de igual no início de uma
linha por um return. Assim, podemos imprimir o resultado de uma expressão
em modo interativo iniciando a linha com um sinal de igual:
$ lua
> = 2^-3 --> 0.125
Lembre-se que cada linha em modo interativo é tratado como um trecho completo.
Em Lua, a definição de funções é uma operação feita em tempo de execução,
não em tempo de compilação. Afinal, ela é apenas açúcar sintático para
uma atribuição. Assim, quando pré-compilamos um trecho de código contendo
definições, essas definições não são válidas até executarmos a função resultante
da compilação. Veja o exemplo a seguir:
[code]f = loadstring("function foo (x) print(10*x) end")
print(foo) --> nil
f() -- executa trecho
print(foo) --> function: 0x807ad58
foo(10) --> 100[/code]

Mais especificamente, a função loadstring nunca gera nenhum efeito colateral.
Seu único efeito é retornar uma nova função correspondente ao trecho
de código passado como parâmetro. Qualquer efeito do trecho só é executado
quando (e se) chamamos a função retornada.

Programando com Tabelas
Lua oferece um único mecanismo para estruturação de dados, chamado
tabela. Tabelas nadamais são do que arrays associativos, isto é, uma estrutura
de dados que associa chaves com valores e permite um rápido acesso ao valor
associado a uma dada chave.
Tabelas são, provavelmente, a característica mais marcante de Lua. Muitas
outras linguagens, em especial linguagens dinâmicas, oferecem arrays associativos,
mas nenhuma os usa de modo tão extensivo quanto Lua. Em Lua
usamos tabelas para implementar estruturas de dados como arrays, estruturas
(registros), conjuntos e listas, e também para implementar conceitos mais
abstratos como objetos, classes e módulos.
A semântica básica de tabelas é bastante simples. A expressão {} cria
uma tabela vazia e retorna uma referência para ela. Uma atribuição t[x]=y
associa o valor y à chave x na tabela referenciada por t. E a expressão t[x]
retorna o valor associado à chave x na tabela referenciada por t, ou o valor nil
caso a tabela não contenha a chave dada. Analogamente, se atribuimos nil a
uma chave, eliminamos aquela chave da tabela: as chaves de uma tabela são
aquelas com um valor associado diferente de nil.
Já vimos alguns usos de tabelas nos exemplos das seções anteriores. Um
dos primeiros exemplos deste texto, de uma função para somar os elementos
de um array, na verdade usa uma tabela. Lua não tem arrays. O que chamamos
de array em Lua é meramente uma tabela cujas chaves são números
naturais. Lua usa um algoritmo que garante que tabelas usadas como arrays
são efetivamente armazenadas internamente como arrays. Essa implementação
é completamente transparente para o programador; não existe nada na
linguagem que dependa dessa implementação, com exceção do desempenho
de certas operações.
Para manipularmos tabelas como estruturas, Lua oferece um açúcar sintático
bastante simples: a notação t.x é equivalente a t["x"], isto é, a tabela t
indexada pela string literal "x". O exemplo a seguir ilustra esse uso:
t = {}
t["x"] = 10; t.y = 20;
print(t.x, t["y"]) --> 10 20
Note que, nessa sintaxe, só podemos usar como nomes de campos identificadores
válidos na linguagem. Por exemplo, a expressão t.or é inválida, pois
or é uma palavra reservada em Lua. Obviamente, a sintaxe básica t["or"]
é sempre válida.

Construtores
A expressão para criar uma tabela vazia, {}, é na verdade um caso particular
de um construtor. Construtores oferecem uma sintaxe bastante rica para
a criação e inicialização de tabelas em Lua. Existem basicamente três tipos de
construtores: um para listas, outro para estruturas e um genérico.
O construtor de listas tem a forma a seguir:
{exp1, exp2, exp3, ...}
Essa expressão cria uma tabela com o valor de exp1 associado ao índice 1,
exp2 associado ao índice 2, e assim por diante. O trecho a seguir ilustra um
uso simples desse tipo de construtor:
dia = {"domingo", "segunda", "terça", "quarta",
"quinta", "sexta", "sábado"}
print(dia[5]) --> quinta
O construtor de estruturas tem a forma a seguir:
{nome1 = exp1, nome2 = exp2, nome3 = exp3, ...}
Essa expressão cria uma tabela com o valor da expressão exp1 associado à
string "nome1", exp2 associado à string "nome2", e assim sucessivamente.
O trecho a seguir ilustra um uso simples desse tipo de construtor:
point = {x = 10.5, y = -15.34}
print(point.x) --> 10.5
O construtor genérico tem a forma a seguir:
{[e1] = exp1, [e2] = exp2, [e3] = exp3, ...}
Essa expressão cria uma tabela com o valor de exp1 associado ao valor da expressão
e1, exp2 associado ao valor da expressão e2, e assim por diante. Em
particular, qualquer construtor de listas pode ser reescrito na forma a seguir:
{ [1] = exp1, [2] = exp2, [3] = exp3, ...}
De forma similar, construtores de estruturas também podem ser reescritos
usando-se o construtor genérico:
{ ["nome1"] = exp1, ["nome2"] = exp2, ...}
(Certifique-se que você entendeu por que essas equivalências estão corretas.)
Apesar de sua genericidade, o construtor genérico é menos usado que
os dois anteriores, pois a maior parte dos usos típicos se encaixa naqueles
padrões. Uma situação particular onde ele é útil é quando chaves do tipo string
não são identificadores válidos, como no exemplo a seguir:
op = {["+"] = "add", ["-"] = "sub",
["*"] = "mul", ["/"] = "div"}
Um construtor também pode usar uma mistura desses três formatos. Por
exemplo, considere o construtor a seguir:
{23, "ho", op = 10, ot = "a", ["or"] = 30}
Ele criará uma tabela com o valor 23 na chave 1, "ho" na chave 2, 10 na
chave "op", "a" na chave "ot" e 30 na chave "or". (Como or é uma palavra
reservada em Lua, ela não pode ser usada como um identificador.)
Quando escrevemos uma chamada de função onde o único argumento é
um construtor, o uso dos parênteses é opcional. Isso dá um aspecto mais declarativo
quando usamos Lua para descrição de dados, como neste fragmento:
character{"merlin",
image = "files/img/merlin.jpg",
strength = 100.5,
category = wizard
}
Essa “descrição” é na verdade uma chamada à função character passando
como argumento uma tabela com a string "merlin" no índice 1 mais os outros
campos com chaves explícitas.

Arrays

Como já comentamos, em Lua representamos arrays diretamente como
tabelas, usando números inteiros positivos como índices.
O uso de tabelas como arrays traz diversos benefícios. Por exemplo, Lua
manipula arrays esparsos4 de forma bastante eficiente, sem necessidade de
algoritmos especiais. Se temos uma tabela t vazia, uma atribuição como
t[1000000000]=1 insere apenas um elemento na tabela, o par com chave
1000000000 e valor 1. (O mesmo programa em Perl dá erro de “Out of memory!”)
Além disso, todas as operações oferecidas pela linguagem para tabelas
se estendem naturalmente para arrays.
Quando manipulamos arrays, frequentemente é necessário sabermos seu
tamanho. Em algumas linguagens estáticas o tamanho de um array é parte
do tipo do array (e.g., Pascal); em outras, é responsabilidade do programador
saber o tamanho (e.g., C). Em linguagens mais dinâmicas, é comum existir
um operador para se consultar o tamanho de um dado array. Como já vimos,
Lua oferece o operador de comprimento (o operador prefixado #), que quando
aplicado a um array retorna o seu comprimento. Mas o que é o “comprimento”
de um array em Lua?
4 Arrays onde a grande maioria dos elementos têm valor nil ou zero.


__________________________________________
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Ei Convidado, sim você mesmo! Ajude o fórum à crescer postando coisas úteis, dê sugestões para melhorar-mos e divulgue o fórum.

Step inside, see the devil in I.

Gifts-
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] - [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] - [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] - [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] - [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Zerei a internet
Ver perfil do usuário http://arenarpgmaker.eclipserpg.com

Halt

avatar
Administrador
Administrador
Como arrays são na verdade tabelas, o conceito de comprimento (ou tamanho)
não é claro em todos os casos. Por exemplo, qual o tamanho de um
array esparso? Seu número de elementos? Seu último índice? Para simplificar
essas questões, Lua define o comportamento do operador de comprimento
apenas para arrays bem comportados. Se os únicos índices numéricos presentes
em uma tabela t são inteiros consecutivos de 1 até algum n, então esse n é
o resultado da expressão #t; se a tabela não tem nenhum índice numérico, então
o resultado da expressão #t é zero. Em todos os outros casos, o resultado
de #t não é definido univocamente.
Em particular, arrays com buracos, isto é, com elementos com valor nil,
não são bem comportados. Considere o construtor a seguir:
{10, 20, nil, 40}
Para nós, pode parecer óbvio que queremos um array de quatro elementos,
onde o terceiro tem valor nil. Mas para Lua, entretanto, não existe um terceiro
elemento. Não é claro se o array termina neste nil e por acaso tem um
outro elemento desrelacionado no índice 4. O operador de comprimento, se
aplicado ao resultado desse construtor, pode retornar 2 ou 4. O ideal é evitar
esses casos, usando o valor false em vez de nil na tabela. Se isso não for
possível, deve-se usar algum artifício para indicar o tamanho do array, como
por exemplo armazenar esse tamanho explicitamente:
{10, 20, nil, 40, n = 4}
Para arrays bem comportados, o operador # é bastante útil. A atribuição a
seguir ilustra uma construção idiomática muito comum em Lua:
t[#t + 1] = v
Ela anexa o valor v ao final da lista t. De forma análoga, a atribuição a seguir
apaga o último elemento de uma lista:
t[#t] = nil

Palavras mais Frequentes
Vamos ver agora um exemplo de um pequeno programa completo, que
ilustra vários conceitos que vimos até agora. O objetivo do programa é listar as
n palavras mais frequentes em um dado texto [Bentley et al. 1986].
O algoritmo geral desse programa é bastante simples. Primeiro percorremos
todas as palavras do texto, contando quantas vezes cada uma aparece.
Para isso, mantemos uma tabela que associa cada palavra já vista com o número
de vezes que ela apareceu. Em seguida, ordenamos o resultado por ordem
decrescente de frequências e listamos os n primeiros elementos da lista.
A Figura 3.6 mostra o código completo do programa. Na primeira linha, lemos o
arquivo de entrada todo de uma vez como uma única string (com a opção *all
para a função de leitura io.read), e armazenamos o resultado em t. Isso é
Código:
    local t = io.read("*all")
    local count = {}
    for w in string.gmatch(t, "%w+") do
    count[w] = (count[w] or 0) + 1
    end
    local words = {}
    for w in pairs(count) do
    words[#words + 1] = w
    end
    table.sort(words, function (a,b)
    return count[a] > count[b]
    end)
    for i=1, (arg[1] or 10) do
    print(words[i], count[words[i]])
    end

Programa para listar as palavras mais frequentes em um texto.
bastante razoável para arquivos com até algumas dezenas de megabytes. Mais
adiante vamos ver como tratar arquivos realmente grandes.
Em seguida, criamos a tabela count, para armazenar a frequência de cada
palavra, e percorremos todas as palavras do texto, contando-as. Para esse percorrimento,
usamos um gerador baseado em um padrão: o laço será repetido
para cada substring de t que case com o padrão "%w+". Esse padrão significa
“uma sequência de um ou mais caracteres alfanuméricos”, que é nossa
definição de “palavra”. (Esse padrão é similar ao padrão "\w+" de Perl, por
exemplo; em Lua usamos o caractere % como escape nos padrões para evitar
conflito com o significado de \ em strings.) Note o uso idiomático do conectivo
or no corpo do laço: se a palavra w já tem um contador, o resultado da disjunção
é esse contador; caso contrário, o resultado é zero. Em qualquer caso,
o valor é incrementado e atribuído como a nova contagem associada àquela
palavra.
O próximo passo é ordenar as palavras. Isso é um pouco mais sutil do que
parece. Não podemos ordenar diretamente a tabela count, pelo simples fato
de que tabelas não têm ordem; elas apenas mapeiam chaves para valores. Por
isso, para impormos uma ordenação sobre as palavras, precisamos colocá-las
em uma lista.5 Assim, criamos uma nova tabela (chamada words) e inserimos
nela todas as palavras presentes como chave na tabela count.
Para ordenar a lista words, usamos a função predefinida table.sort. O
segundo parâmetro dessa função é a função usada por sort para comparar os
valores sendo ordenados. Essa função recebe como parâmetros dois valores
sendo ordenados, e retorna verdadeiro se e somente se o valor do primeiro
parâmetro deve preceder o valor do segundo parâmetro na ordem final. No
nosso caso, os valores são as palavras sendo ordenadas, e a função então
consulta a tabela count para comparar qual tem maior frequência.
Finalmente, no último laço imprimimos as n palavras mais frequentes, que
são as primeiras da lista ordenada, e suas respectivas frequências. O valor de
n pode ser dado como um argumento na chamada do programa; o interpretador
independente armazena esses argumentos em uma tabela global arg.
Quando não é fornecido um valor, o programa usa um valor preestabelecido
(10, no exemplo).
Como comentamos anteriormente, a técnica de ler o arquivo inteiro para
posterior tratamento é bastante eficiente para arquivos não muito grandes. Mas
para arquivos grandes (da ordem de centenas de megabytes ou mais) ela pode
se tornar inviável. Nesse caso, podemos modificar o início do programa para
5 Algumas pessoas se confundem com essa ideia: afinal, se listas também são tabelas,
como ordená-las? Realmente listas também não têm nenhuma ordem interna, mas suas
chaves, inteiros positivos, têm uma ordenação natural independente da lista. Em outras
palavras, do ponto de vista de Lua uma lista não tem ordem, mas definimos que o
elemento associado à chave n é o n-ésimo elemento.
percorrer o arquivo linha a linha, e para cada linha percorrer suas palavras:
Código:
local count = {}
for line in io.lines() do
for w in string.gmatch(lines, "%w+") do
count[w] = (count[w] or 0) + 1
end
end

Módulos
A combinação de tabelas com funções de primeira classe é bastante poderosa.
Lua não oferece nenhum mecanismo específico para a construção de
módulos, pois módulos em Lua podem ser diretamente implementados como
tabelas.
Quase todas as bibliotecas padrão de Lua são implementadas como módulos
via tabelas. Nesse texto já usamos várias funções dessas bibliotecas. Por
exemplo, a função string.sub é definida na biblioteca de manipulação de
strings. Essa biblioteca exporta todas as suas funções dentro de uma tabela,
armazenada na variável global string. Quando escrevemos string.sub,
isso nada mais é que uma indexação convencional:
print(type(string)) --> table
print(type(string.sub)) --> function
Normalmente, um módulo é definido por meio de um trecho de código Lua
armazenado em um arquivo.6 Lua é indiferente em relação a como um módulo
é escrito, desde que sua execução resulte na criação de uma tabela global
contendo os itens exportados pelo módulo. Por razões que veremos mais adiante,
também é educado o módulo retornar sua tabela de exportações. Como
ilustração, o trecho de código a seguir define um módulo vector exportando
duas funções, norm1 e norm2.
vector = {}
function vector.norm1 (x, y)
return (x^2 + y^2)^(1/2)
end
function vector.norm2 (x, y)
return math.abs(x) + math.abs(y)
end
return vector
Observe que Lua oferece um açúcar sintático para definirmos funções diretamente
como campos em tabelas.
6 Também podemos definir módulos para Lua em C.
Para carregar um módulo, podemos simplesmente executá-lo, por exemplo
com a função predefinida dofile. Entretanto, Lua oferece uma função bem
mais conveniente para a carga de módulos, chamada require. A função
require difere de um simples dofile em dois aspectos importantes:
• Ela mantém uma lista de módulos já carregados, de modo que requerer
um módulo já carregado não o carrega novamente.
• Ela usa uma lista de lugares onde procurar o arquivo contendo o módulo;
com a função dofile temos que especificar o caminho completo até o
arquivo.
A função require retorna como resultado o valor retornado pelo trecho
que criou o módulo. Assim, se o trecho retorna a tabela de exportação, essa
tabela será retornada quando chamarmos require para carregar o módulo.
Isso permite o idioma a seguir:
local v = require("vector")
Esse idioma permite usarmos um outro nome para o módulo no nosso código
(v, no exemplo), além de evitar o uso de globais.

Objetos
Programação orientada a objetos (OO) em Lua também se vale da combinação
de tabelas com funções de primeira classe. Em Lua, um objeto é meramente
uma tabela, contendo campos com seus dados (variáveis de instância)
e operações (métodos).
O exemplo a seguir ilustra uma primeira abordagem com um objeto bem
simples:
Código:
Rectangle = {x = 0, y = 0, width = 10, height = 20}
function Rectangle.area ()
return Rectangle.width * Rectangle.height
end

Uma dificuldade óbvia com esse esquema é que o método area só opera
para esse retângulo particular. Para o método ser útil para qualquer retângulo,
podemos incluir o objeto como parâmetro do método:
Código:
function Rectangle.area (self)
return self.width * self.height
end

Agora, para chamarmos o método, temos que passar o objeto como argumento,
o que não é muito conveniente:
print(Rectangle.area(Rectangle))

Para resolver esse inconveniente, Lua oferece o operador de dois pontos (colon
operator ). Com esse operador, podemos reescrever a chamada anterior da
seguinte forma:
print(Rectangle:area())
O operador de dois pontos automaticamente insere o receptor do método como
um primeiro argumento adicional na chamada.
De forma análoga, também podemos usar o operador de dois pontos na
definição do método, como ilustrado a seguir:
Código:
function Rectangle:area ()
return self.width * self.height
end

Nesse caso, o operador insere automaticamente um primeiro argumento adicional
na definição do método, com o nome self.
O uso do parâmetro self, mais o suporte sintático do operador de dois pontos,
possibilita que um mesmo método possa operar sobre vários objetos semelhantes.
Mas como criamos esses objetos? Em particular, partindo da definição
de Rectangle, como podemos criar outros retângulos?
Uma opção seria copiarmos todos os campos do objeto original nos novos
objetos; isto é, clonarmos o objeto original. Essa opção não é muito convidativa
quando o objeto oferece muitos métodos. Uma outra opção, bem mais
interessante, exige um novo mecanismo de Lua, chamado delegação, que foi
inspirado na linguagem Self [Ungar et al. 1987].
Delegação permite que uma tabela “herde” campos de outra tabela. Mais
especificamente, suponha que uma tabela A delega sua indexação para outra
tabela B. Se indexamos A com uma chave presente, o valor associado é
retornado normalmente. Mas se indexamos A com uma chave ausente, Lua
automaticamente irá procurar essa chave na tabela B.
Para construirmos uma relação de delegação entre A e B precisamos de
uma tabela intermediária, chamada de metatabela de A.7 Para a tabela A delegar
suas buscas para B, o campo __index de sua metatabela deve referenciar
B. O exemplo a seguir deve ajudar a clarificar essas relações:
A = {x = 10}
B = {x = 20, y = 30}
mt = {__index = B} -- metatabela
print(A.x, A.y) --> 10 nil
setmetatable(A, mt)
print(A.x, A.y) --> 10 30
7 Delegação em Lua é uma instância específica de um mecanismo mais geral chamado
metamétodos, que justifica o uso de metatabelas. Neste texto vamos discutir apenas
delegação.
Código:
Rectangle = {x = 0, y = 0, width = 10, height = 20}
Rectangle.__index = Rectangle
function Rectangle:new (o)
setmetatable(o, self)
return o
end
function Rectangle:area ()
return self.width * self.height
end
r = Rectangle:new{width = 40, height = 60}
print(r:area()) --> 2400

Classe Rectangle usando delegação.
A chamada à função setmetatable estabelece mt como a metatabela de
A. Podemos trocar a metatabela de uma tabela a qualquer hora (chamando a
função setmetatable), assim como podemos trocar o conteúdo do campo
__index (via atribuições convencionais). No momento do acesso a um campo
ausente de uma tabela, o valor corrente do campo __index de sua metatabela
corrente irá indicar a quem delegar o acesso. Se a metatabela ou seu campo
__index não existir, o acesso retorna o valor nil, que é o comportamento
normal de acesso a um campo ausente.
Nada nos obriga a criarmos uma terceira tabela para ser a metatabela. No
exemplo anterior, tanto A quanto B poderiam ser a metatabela de A. Adotando
a segunda alternativa, o código ficaria assim:
Código:
A = {x = 10}
B = {x = 20, y = 30}
B.__index = B
setmetatable(A, B)
print(A.x, A.y) --> 10 30

Na Figura juntamos tudo que temos até agora para definir novamente
um objeto Rectangle. Desta vez, esse objeto vai oferecer um método new
para criar novos retângulos, e usar delegação para que esses novos retângulos
possam usar os métodos definidos no objeto original.
Vamos acompanhar, em detalhes, o que ocorre quando Lua executa as
duas últimas linhas desse fragmento. Na primeira, o programa cria uma tabela
e a passa como argumento para a função Rectangle.new. Devido à notação
de dois pontos tanto na chamada quanto na sua definição, essa função recebe
um outro parâmetro, self, com o valor de Rectangle. Essa função apenas
atribui o valor de Rectangle como metatabela do novo objeto e o retorna.
Na próxima linha chamamos o método area nesse novo objeto. Lembrese
que r:area() é equivalente a r.area(r). Ou seja, o primeiro passo é
acessar o campo area na tabela r. Como essa tabela não tem esse campo, o
interpretador consulta sua metatabela para uma alternativa. A metatabela de r
é Rectangle, que também é o valor do seu campo __index. Assim, a função
Rectangle.area se torna o resultado do acesso r.area. Lua então chama
essa função, passando r como argumento extra para o campo self.

Programando com Co-rotinas
Co-rotinas são um tipo de mecanismo de controle bastante poderoso, mas
pouco convencional. Como sempre, o termo em si não tem um significado
preciso. Vários mecanismos de controle, muitos não equivalentes entre si, recebem
o nome de “co-rotinas”.
Genericamente, o termo co-rotina se refere a um mecanismo que permite
que um procedimento suspenda temporariamente sua execução e continue
mais tarde. Esse mecanismo básico permite diversas variações:
• Co-rotinas podem ser valores de primeira classe, isto é, co-rotinas podem
ser manipuladas livremente e reinvocadas em qualquer ponto do
programa, ou podem haver restrições sobre seu uso.
• O controle de fluxo pode ser simétrico ou assimétrico. O controle simétrico
tem uma única primitiva para transferir o controle entre co-rotinas; o
assimétrico tem duas primitivas, uma para suspender a execução e outra
para reiniciar.
• Co-rotinas podem ser suspensas enquanto executando outras funções
(com pilha, ou stackful) ou apenas enquanto executando sua função principal.
[de Moura and Ierusalimschy 2009]
Em particular, Lua oferece um mecanismo de co-rotinas assimétrico, de
primeira classe e com pilha [de Moura et al. 2004]. Nesta seção, vamos apresentar
esse mecanismo e mostrar alguns de seus usos.
Co-rotinas, como implementadas por Lua, são bastante similares a linhas
de execução (threads) cooperativas. Cada co-rotina em Lua representa uma
linha de execução independente, com sua própria pilha de chamadas8. Mas,
ao contrário de um sistema multithreading convencional, não há preempção em
um sistema de co-rotinas. Uma co-rotina só interrompe sua execução quando
termina ou quando invoca explicitamente uma primitiva de suspensão (yield).
A função coroutine.wrap cria uma co-rotina e retorna uma função que,
ao ser chamada, executa (resume) a co-rotina.9 O parâmetro único para wrap
é uma função Lua contendo o código do corpo da co-rotina:
co = coroutine.wrap(function () print(20) end)
co() --> 20
Essa função pode opcionalmente ter parâmetros, cujos valores são dados na
chamada à co-rotina:
co = coroutine.wrap(function (x) print(x) end)
co("alo") --> alo
Como já vimos, o poder de co-rotinas vem da possibilidade de uma corotina
suspender sua execução para continuar posteriormente. Para isso, ela
deve chamar a função yield, como no exemplo a seguir:
Código:
co = coroutine.wrap(function (x)
print(x)
coroutine.yield()
print(2*x)
end)
co(20) --> 20

Note que, ao ser chamada, a co-rotina nesse exemplo executou apenas até a
chamada a yield. Mas ela não terminou sua execução, apenas a suspendeu.
Ao ser chamada novamente, ela irá continuar do ponto onde parou:
co() --> 40
A função yield também pode passar um valor de retorno para o ponto
onde a co-rotina foi invocada:
Código:
co = coroutine.wrap(function ()
for i = 1, 10 do coroutine.yield(i) end
return "fim"
end)
print(co()) --> 1
print(co()) --> 2
...
print(co()) --> 10
print(co()) --> fim

O exemplo anterior, apesar de simples e de pouca utilidade, ilustra a es-
9 Também podemos criar uma co-rotina com a função coroutine.create, que não
vamos tratar neste texto.
sência da construção de geradores, que está intimamente ligada à construção
de iteradores.

Iteradores e Geradores
Uma questão recorrente em programação é a construção de iteradores:
estruturas de controle para percorrer os elementos de uma estrutura de dados
em uma determinada ordem. Tradicionalmente, existem duas maneiras de
se estruturar iteradores, chamadas de exportação de dados e importação de
ações [Eckart 1987].
Exportação de dados se baseia em geradores: funções que, cada vez que
são chamadas, retornamum próximo elemento da estrutura de dados (segundo
alguma ordem). Essa é a forma mais usada em Java, por exemplo, por meio
da interface Iterator.
Importação de ações usa funções de mais alta ordem: nesse esquema,
uma função de iteração recebe uma função como parâmetro e a aplica a todos
os elementos da estrutura de dados. Essa é a forma mais usada em Ruby,
por exemplo (apesar de Ruby não usar funções de mais alta ordem, mas um
mecanismo especialmente dedicado a esse fim). A vantagem dessa forma de
iteradores é que é muito mais fácil manter o estado da iteração: considere, por
exemplo, o percorrimento de uma árvore em pré-ordem. A desvantagem é que
o laço de iteração não pode ser modificado, o que dificulta algumas tarefas:
considere, por exemplo, o percorrimento de duas estruturas em paralelo.
Existe um problema famoso que ilustra simultaneamente os problemas das
duas abordagens, chamado “problema das bordas iguais” (same-fringe problem).
O problema consiste em, dadas duas árvores, determinar se o percorrimento
das folhas das duas árvores produz a mesma sequência de elementos.
Com exportação de dados, usando geradores, é difícil percorrer cada árvore,
pois não temos recursão para manter o estado do percorrimento. Com importação
de ações, usando funções de iteração, é difícil percorrer as duas árvores
em paralelo.
O uso de co-rotinas elimina essa dicotomia entre as duas abordagens, pois
torna trivial a transformação de uma função de iteração em um gerador. Para
ilustrar essa transformação, vamos resolver o problema das bordas iguais.
Percorrer as folhas de uma árvore é uma tarefa bem simples, se usarmos
recursão. O código na Figura 3.8 implementa um iterador via importação de
ações. Esse iterador recebe a ação como uma função (f), e aplica essa função
a cada folha da árvore a seguindo a ordem da esquerda para a direita.
Construir o iterador foi bem fácil; mas, como comentamos, um iterador não
é muito útil para o nosso problema. Não temos como percorrer duas árvores
em paralelo usando esse iterador, já que o laço de percorrimento está embutido
no iterador, e percorre apenas uma única árvore.
Portanto, vamos tranformar esse iterador em um gerador. Tudo que temos
a fazer é especificar yield como a função de visita e executar a função de
percorrimento dentro de uma co-rotina:
Código:

function leaves (a, f)
if a ~= nil then
if a.left or a.right then
leaves(a.left, f)
leaves(a.right, f)
else -- folha
f(a.value)
end
end
end

Função para percorrer as folhas de uma árvore
binária.

Código:

function gen (a)
return coroutine.wrap(function ()
leaves(a, coroutine.yield)
end)
end

A função gen, quando chamada, retorna uma função que cede as folhas da
árvore dada uma a uma, na ordem correta; ou seja, é um gerador. Com poucas
linhas de código transformamos um iterador por importação de ações em um
iterador por exportação de dados.
Agora, fica bem fácil resolver o problema das bordas iguais:
Código:
function samefringe (a, b)
local gen_a, gen_b = gen(a), gen(b)
repeat
local a, b = gen_a(), gen_b()
if a ~= b then return false end
until a == nil
return true
end

A função samefringe cria um gerador para cada árvore dada, e percorre as
duas em paralelo comparando os elementos gerados.

Co-rotinas Simétricas
A forma de co-rotinas usada por Lua, chamada de assimétrica, oferece
duas primitivas para passagem de controle entre co-rotinas: resume, que é
10 Essa função se vale de uma sutileza das regras de escopo de Lua. Note que a variável
local a, declarada dentro do laço, ainda é visível na sua condição.
Código:
    local main = coroutine.wrap(function () end)
    local next
    current = main
    transfer = function (co, val)
    if current ~= main then
    next = co
    return coroutine.yield(val)
    else
    current = co
    while current ~= main do
    next = main
    val = current(val)
    current = next
    end
    return val
    end
    end

Implementação de transfer em Lua.
invocada implicitamente quando chamamos a co-rotina, e yield. Existe uma
outra forma de implementarmos co-rotinas, chamada de simétrica. Essa segunda
forma é mais conhecida por alguns programadores, devido a seu uso na
linguagem Modula-2 [Wirth 1982].
Co-rotinas simétricas utilizam uma única primitiva de controle de fluxo, tradicionalmente
chamada de transfer. Essa primitiva simultaneamente suspende
a execução da co-rotina em execução e transfere o controle para uma
outra co-rotina qualquer, dada como parâmetro na chamada a transfer.
A maioria das implementações de co-rotinas assimétricas não são com pilha
(e.g., geradores em Python). Por essa razão, algumas pessoas tendem a
achar que co-rotinas assimétricas são menos expressivas que co-rotinas simétricas.
Mas isso não é verdade. Em particular, podemos implementar a função
transfer em Lua, como veremos agora.
Como um transfer simultaneamente suspende uma co-rotina e ativa outra,
podemos implementá-lo usando uma combinação de um yield, para suspender
uma co-rotina, seguido de um resume, para ativar a outra. O código da
Figura 3.9, adaptado de [de Moura and Ierusalimschy 2009], implementa essa
ideia. Na primeira linha, o código cria uma nova co-rotina para representar o
fluxo de execução principal, de modo a ser possível voltarmos o controle para
esse fluxo. Em seguida, declara uma variável local next, que será usada pela
transfer, e uma variável global current, que irá sempre conter a co-rotina
Código:
ping = coroutine.wrap(function ()
while true do
print(’ping’)
transfer(pong)
end
end)
pong = coroutine.wrap(function ()
while true do
print(’pong’)
transfer(ping)
end
end)
transfer(ping)

Um pequeno programa com co-rotinas simétricas.
que estiver em execução. Finalmente, temos a definição de transfer.
Quando a função transfer é chamada pela co-rotina principal, ela entra
em um laço e invoca a co-rotina destino (co). A partir daí, qualquer co-rotina
que chame transfer irá colocar o valor da co-rotina destino na variável next
e ceder o controle, que voltará ao laço. Se a co-rotina destino for a principal,
o laço termina e a co-rotina principal continua sua execução. Caso contrário, o
laço repete e invoca a co-rotina destino (current).
A Figura 3.10 apresenta um pequeno programa que ilustra o uso da função
transfer. Apesar de sua simplicidade, o programa apresenta uma típica
arquitetura produtor–consumidor.


__________________________________________
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Ei Convidado, sim você mesmo! Ajude o fórum à crescer postando coisas úteis, dê sugestões para melhorar-mos e divulgue o fórum.

Step inside, see the devil in I.

Gifts-
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] - [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] - [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] - [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] - [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Zerei a internet
Ver perfil do usuário http://arenarpgmaker.eclipserpg.com

Halt

avatar
Administrador
Administrador
A API Lua–C
Como comentamos anteriormente, um dos pontos fortes de Lua é sua facilidade
para se comunicar com C. Nessa seção, vamos ver como essa comunicação
é feita.
Lua foi projetada para se comunicar com C. Isso é tão importante que Lua
é organizada como uma biblioteca em C, não como um programa. O programa
lua, que temos usado ao longo do texto para executar os exemplos, na verdade
é um pequeno programa com menos de 400 linhas de código que é um
cliente da biblioteca Lua. Essa biblioteca exporta pouco menos que 100 funções,
que permitem executarmos trechos de código Lua, chamarmos funções,
registrarmos funções C para serem chamadas por Lua, manipularmos tabelas,
e outras operações básicas.
Sempre que manipulamos uma API como a de Lua, é importante lembrar
que trabalhamos com dois níveis de abstração simultâneos. Por um lado, existe
o nível do programa em C, que estamos escrevendo. Por outro lado, existe o
nível do programa em Lua que está sendo manipulado por esse programa C.
Por exemplo, existe uma função na API para consultar o valor de uma variável
global. Quando chamamos essa função, estamos executando uma chamada
de função, no nível C, mas estamos consultando uma global no nível Lua.
Uma consideração importante na implementação de Lua é o tamanho e a
portabilidade do código. Lua é comumente usada em plataformas bastante não
convencionais, como consoles de jogos, conversores (set-top box) para TVs,
cameras fotográficas, etc. Para diminuir seu tamanho e aumentar sua portabilidade,
o código de Lua é dividido em três partes: o núcleo, uma biblioteca
auxiliar e as bibliotecas padrão.
O núcleo contém toda a parte básica de Lua, como o pré-compilador, o interpretador,
os algoritmos de manipulação de tabela e de coleta de lixo. Porém,
ele não assume nada sobre o sistema operacional. Por exemplo, o núcleo faz
toda sua alocação de memória chamando uma função externa, que deve ser
fornecida a ele na sua inicialização. Da mesma forma, o núcleo não lê arquivos,
mas carrega trechos de código chamando uma função externa apropriada. A
API do núcleo é totalmente definida no arquivo lua.h; todos os nomes definidos
por essa API tem o prefixo lua_.
A estrutura do núcleo é bastante apropriada para aplicações embarcadas,
rodando em plataformas não convencionais que muitas vezes nem dispõem
de um sistema operacional. Para plataformas mais convencionais, entretanto,
ela é demasiadamente detalhista. Para isso existe a biblioteca auxiliar. Essa
biblioteca usa a API do núcleo e funções normais do sistema operacional para
oferecer uma interface de mais alto nível para o programador. Essa API auxiliar
é definida no arquivo lauxlib.h; todos os nomes definidos por essa API
tem o prefixo luaL_. Neste texto vamos usar a biblioteca auxiliar sempre que
necessário, pois assumimos estar programando em uma plataforma convencional.
A comunicação Lua–C é bi-direcional. Por um lado, Lua pode chamar funções
que na verdade estão escritas em C. Por exemplo, todas as bibliotecas
padrão de Lua, como para manipulação de strings e para manipulação de arquivos,
são escritas em C. Por outro lado, também é bastante fácil C chamar
funções escritas em Lua. Isso permite que partes de um programa escrito em
C sejam configuráveis por meio de código Lua.
Uma distinção útil é entre embutir (embed) e estender uma linguagem de
script. Embutir é usar a linguagem como uma biblioteca C dentro de um programa
hospedeiro, enquanto estender é escrever o programa principal na linguagem
dinâmica estendida com funções escritas em C. Uma linguagem dinâmica
poder chamar código escrito em C é bastante comum; mesmo em Java
podemos fazer isso, por meio da Java Native Interface. Entretanto, poucas linguagens
oferecem suporte adequado para serem embutidas, e portanto induzem
o projetista a usar uma arquitetura de extensão, com o programa principal
escrito na linguagem dinâmica [Muhammad and Ierusalimschy 2007]. Em Lua,
podemos escolher qual é a melhor arquitetura para cada aplicação particular.
Por exemplo, tanto World of Warcraft quanto Ginga usam Lua de forma embutida,
enquanto o Photoshop Lightroom estende Lua.

Embutindo Lua
A comunicação Lua–C envolve sempre duas estruturas centrais, que vamos
apresentar agora. A primeira é o estado Lua, representado por um ponteiro
de tipo lua_State *. Como Lua é implementada como uma biblioteca,
seu código C não possui nenhuma variável global (extern ou static). Todo o estado
do interpretador é armazenado na estrutura dinâmica lua_State. Para
qualquer programa usar Lua, ele deve criar pelo menos um estado, por meio
da função luaL_newstate. O valor retornado por essa função, um ponteiro
de tipo lua_State *, deve ser passado como parâmetro para todas as outras
funções da API. A função lua_close finaliza um estado e libera todos os
recursos alocados por ele, incluindo memória, arquivos abertos e bibliotecas
dinâmicas carregadas.
A segunda estrutura central é a pilha. A pilha é uma estrutura abstrata, que
o código C só acessa por meio de chamadas à API. Como o nome implica,
essa estrutura é uma pilha de valores Lua. Esses são os únicos valores que
o código C consegue acessar. Para se acessar qualquer outro valor, ele deve
primeiro ser copiado para a pilha.
Para tornar as coisas um pouco mais concretas, a Figura 3.11 mostra um
programa completo usando a biblioteca Lua. Esse programa executa um arquivo
Lua e imprime o valor numérico final da variável global result. Vamos
analisá-lo passo a passo, ignorando alguns detalhes por enquanto.
A primeira coisa que o programa faz é criar um estado Lua. Em seguida,
chama a função luaL_loadfile para compilar o arquivo argv[1] nesse
estado. Se não houver erros na compilação, essa função deixa um valor do tipo
function no topo da pilha e retorna o valor LUA_OK. Caso contrário, retorna
um código de erro e deixa uma mensagem de erro no topo da pilha. A função
lua_tostring converte esse valor, uma string em Lua, para uma string em
C, que é então impressa na saída de erros (stderr).
A função criada pelo compilador representa o trecho de código lido do
arquivo. Até aqui esse código foi apenas compilado. Para executá-lo, precisamos
chamar a função criada pelo compilador. Isso é feito pela função
lua_pcall, que chama a função presente no topo da pilha. Enventuais parâmetros
para a função devem também ser empilhados. Nesse caso, chamamos
a função sem parâmetros, e isso é indicado pelo zero como segundo argumento
de lua_pcall. Assim como luaL_loadfile, em caso de erros a
função lua_pcall também deixa uma mensagem no topo da pilha e retorna
um código diferente de LUA_OK. Em caso de sucesso, deixa na pilha o número
de resultados pedidos. No nosso exemplo, queremos zero resultados, como
indicado pelo terceiro argumento da chamada à lua_pcall.
No último trecho do código imprimimos o valor da variável result. A fun-
ção lua_getglobal copia o valor da global nomeada para o topo da pilha e a
função lua_tonumber converte esse valor para um número do tipo double.
Várias funções da API usam a pilha de modo normal, adicionando e retirando
elementos pelo topo. Por exemplo, a função luaL_loadfile empilha
a função criada ou a mensagem de erro; lua_pcall desempilha a função
a ser chamada e eventuais argumentos e empilha eventuais resultados; e
lua_getglobal empilha o valor da global nomeada. Outras funções podem
acessar diretamente qualquer elemento dentro da pilha. Fazem parte dessa
categoria todas as funções de projeção, que transformam valores Lua em valores
C; no nosso exemplo vimos lua_tostring e lua_tonumber.

Na figura Um programa para executar um arquivo Lua
e imprimir o valor da variável global result.

Código:
#include "lua.h"
#include "lauxlib.h"
int main (int argc, char **argv) {
lua_State *L = luaL_newstate();
if (luaL_loadfile(L, argv[1]) != LUA_OK)
fprintf(stderr, "error: %s\n",
lua_tostring(L, -1));
else if (lua_pcall(L, 0, 0, 0) != LUA_OK)
fprintf(stderr, "error: %s\n",
lua_tostring(L, -1));
else {
lua_getglobal(L, "result");
printf("resultado: %f\n", lua_tonumber(L, -1));
}
lua_close(L);
return 0;
}

Para indicar um elemento na pilha, podemos usar um índice positivo ou
negativo. Índices positivos contam a partir da base da pilha: o índice 1 indica o
primeiro elemento que foi empilhado. Índices negativos contam a partir do topo:
o índice −1 indica o elemento no topo, o último que foi empilhado. No nosso
exemplo, usamos o índice −1 em todas as chamadas a funções de projeção,
pois queríamos sempre referenciar o elemento no topo.

Estendendo Lua
O arquivo Lua executado pelo programa da Figura 3.11 pode ser algo tão
simples quanto result=12 ou algo bastante complexo, envolvendo muitas
computações. Entretanto, ele não pode chamar nenhuma função: quando cri-
amos um novo estado Lua ele está completamente vazio, sem nenhuma global
definida. Nem mesmo as bibliotecas padrão estão abertas. Para abri-las,
precisamos chamar a função luaL_openlibs, definida em lualib.h. Essa
chamada vai povoar o estado Lua com todas as funções das bibliotecas padrão
da linguagem.
A necessidade de chamar luaL_openlibs em separado é novamente explicada
pela ênfase em flexibilidade da API de Lua. Muitos sistemas usam Lua
sem oferecer todas as bibliotecas. Por exemplo, sistemas embarcados raramente
podem implementar a biblioteca de entrada–saída, por não terem um
sistema de arquivos. Outros sistemas podem não oferecer a biblioteca matemática
para economizar espaço. Tais sistemas podem usar Lua sem nenhuma
modificação, bastando não usar a função luaL_openlibs.
A função luaL_openlibs, assim como todas as funções da biblioteca
padrão, não faz nada “mágico” para estender Lua. Ela apenas usa a API Lua–
C. Vamos ver agora, por meio de um exemplo, como estender Lua com uma
nova função.
Uma função C, para poder ser chamada por Lua, deve respeitar um protocolo
específico. No nível de C, a função deve seguir o protótipo abaixo:
Código:
typedef int (*lua_CFunction) (lua_State *L);

Isso é, ela deve receber um único parâmetro, que é o estado Lua onde ela irá
operar, e retornar uminteiro, que é o número de valores que ela está retornando
no nível Lua. No nível de Lua, ela recebe seus parâmetros na pilha e retorna
seus resultados também na pilha.
Cada função tem sua própria pilha local. Quando a função é chamada, a
sua pilha contém apenas os parâmetros para a função, com o primeiro parâmetro
na base da pilha. Ao retornar, os valores no topo da pilha são os resultados
da função, com o último resultado no topo. O inteiro retornado no nível C indica
quantos desses valores na pilha são resultados. Por exemplo, se a função
retorna zero no nível C, significa que ela não está retornando nenhum valor no
nível Lua, independente de quantos valores estão empilhados. Se ela retorna
um no nível C, apenas o valor no topo da pilha é considerado valor de retorno.
Esse esquema facilita a codificação das funções, pois não há necessidade de
se limpar a pilha de outros valores ao retornar.
Como exemplo, na Figura 3.12 temos a implementação da função de seno,
copiada diretamente da biblioteca matemática de Lua. A função math_sin é
basicamente um encadeamento de três funções: luaL_checknumber, sin,
da biblioteca matemática de C, e lua_pushnumber.
A função auxiliar luaL_checknumber verifica se o primeiro elemento da
pilha é realmente um número e retorna seu valor; observe o uso do índice positivo
1 na sua chamada, para indexar o elemento na base da pilha. Essa função
auxiliar é construída sobre a lua_tonumber, que já vimos anteriormente,mas
usa antes a função lua_isnumber para se certificar que o parâmetro é realmente
um número. Em caso negativo ela chama uma função de erro que, por
Código:
static int math_sin (lua_State *L) {
lua_pushnumber(L, sin(luaL_checknumber(L, 1)));
return 1;
}

Função seno, da biblioteca matemática.
meio de um long jump, salta diretamente para um tratador de erros, sem retornar.
Assim, quando luaL_checknumber retorna sabemos que o parâmetro
tem o tipo correto.
A função lua_pushnumber, como seu nome indica, empilha um número;
no nosso caso, esse número é o resultado da chamada à função sin. Esse
número será empilhado por cima do parâmetro original, que permanece na
pilha. A função math_sin termina retornando 1, o que indica para Lua que
apenas o valor do topo (o seno) deve ser considerado como resultado.
Após definirmos a função math_sin, precisamos registrá-la em Lua. A
parte principal do trabalho é feita pela função lua_pushcfunction: ela recebe
um ponteiro para uma função C e empilha um valor Lua do tipo function
que, quando chamado, invoca a função C correspondente. Como qualquer função
em Lua, a função empilhada por lua_pushcfunction é um valor de primeira
classe. Podemos por exemplo armazená-la em uma variável global, para
uso futuro. O trecho de código a seguir ilustra como podemos modificar nosso
programa da Figura para registrar nossa função em uma global sin:
Código:
int main (int argc, char **argv) {
lua_State *L = luaL_newstate();
lua_pushcfunction(L, math_sin);
lua_setglobal(L, "sin");
/* ... como antes ... */


Após a criação do estado Lua, lua_pushcfunction cria a função no topo da
pilha e lua_setglobal armazena o valor do topo da pilha na global nomeada
(sin). Após essas chamadas, qualquer programa executado no estado L terá
acesso à função sin.

Comentários Finais
Neste texto procurei ilustrar algumas das características mais marcantes da
linguagem Lua. Abordamos funções de primeira classe, tabelas, co-rotinas e a
API Lua–C. Procurei tambémenfatizar o poder expressivo desses mecanismos,
mostrando alguns exemplos mais complexos.
Devido a restrições de tamanho, não pude abordar vários outros aspectos
importantes de Lua. Em particular, o tratamento da API Lua–C foi bastante introdutório;
por ser um mecanismo nãomuito convencional, temos que introduzir
vários conceitos básicos novos para podermos chegar a tópicos mais avançados.
Também não abordei as bibliotecas padrão de Lua; algumas são convencionais,
como a biblioteca de manipulação de arquivos. Mas outras, como a
biblioteca de strings com suas funções de casamento de padrões, merecem
um tratamento mais longo. Espero que o leitor, após este texto introdutório,
sinta-se motivado a aprofundar seus conhecimentos sobre Lua.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Fim, fiz vários posts porquê não tinha mais espaço para escrever.


__________________________________________
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Ei Convidado, sim você mesmo! Ajude o fórum à crescer postando coisas úteis, dê sugestões para melhorar-mos e divulgue o fórum.

Step inside, see the devil in I.

Gifts-
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] - [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] - [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] - [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] - [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Zerei a internet
Ver perfil do usuário http://arenarpgmaker.eclipserpg.com

Conteúdo patrocinado


Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum